28 agosto 2014

Evoé

Nem sempre o demais é excesso
Da mesma forma o muito pode ser insuficiente
O falso amor é diferente 
Do fiel viciado da balança?
Nem vou falar do cristal quebrado
Para que não pareça suicídio?
Uma imagem, sacra ou não,
Uma vez restaurada é a mesma?
Qual a medida de se ser intenso, fora das bordas
Algum mecanismo psíquico falta de controle
Ou a pele e os sentimentos d'l'autre ?
Qual o limite para se estar deprimido
Um certo grau de disfunção neuroquímica
Ter o mínimo necessário para se drogar com tecnologia de ponta 
Ter alguém que lhe escute uma vez por semana, outra uma vez por mês?
Muita gente perde a mão da intensidade
E pode matar...
Outros são casos subnotificados de F33
E podem morrer...
Qual o verdadeiro fiel da balança?
Que porra é amor verdadeiro, cálido, gélido, falso, funcional
Se, salvo melhor juízo, todos, estou dizendo todos adoecem.
- não é um mau agouro; nem todos se separam - muitos vão adiante. 
Se a restauração traz de volta o brilho àquilo que não tem alma,

Para além de psicólogos e psiquiatras Olorun deveria ter inventado um restaurador de gente. 

Nenhum comentário: