21 dezembro 2011

à.s.e.

Nada pior que a prisão sem muros e com a acesso a tudo. 



Nada pior que ter bons desconhecidos muito perto e 



queridos amados extremamente distantes.



O que é melhor quando se precisa passar pelo pior, 



o horror, para estar bem?

Talvez acreditar.



Talvez ter fé 



- Um Orisá! -

Um brisa, um pedaço de fogo

Um barra-vento, um misto de águas

Ter alguém que lhe diga "Colofé"


E olhe nos seus olhos e diga

 "Olorun Modupé"

19 dezembro 2011

quatro ventos

Já saudei os quatro ventos e
Pedi força à Senhora dos ventos
Que me livrasse dos maus quebrantos
e até mesmo dos que vagam sem destino.

Fui até as minhas flores
Pedaços de mim que vêm de longe
D'uma desejada terra de gigantes brancos

(...)

Vida, fé e paixão
voltei-me aos pássaros 
Já não domino os contornos
Nem quero ficar sozinho


Preciso de muito mais que gigantes ao meu redor
Vou brincar n'água e sentir a brisa

08 dezembro 2011

c.h.e.g.u.e.i.

Cheguei
Finalmente abri os portões
Que há tempos,
Que há muito tempo...
Que há tantas vidas...
Passo fantasiado ao largo
Vestindo fantasmas ou fantasioso-sendo...

Cheguei!
Com a minha vontade
Mas vacilando no desejo;
Pendulando sentimentos caros
Nos joelhos, já de muito ralados - 
Um pouco cansados
De caminhar, de cair ou de levantar?

Cheguei!
Onde pensei que heróis não chegariam
Onde não queria chegar
Onde não passo de outro superhumano
São supers, megas, ultras, o v e r s ...
(---)

Abri os portões e só tinha mais um passo
Eram minhas mãos a me puxar e me repudiar.

Cheguei mas já estou indo!
[27.11.11.]