30 abril 2013

tudo que vier à cabeça

Hoje acordei pensando:
Quem pensa é a alma ou o espírito?

Haja vida!
E não me venha com essa:
- E o lastro fisiológico:
Sinapses neurônio neurotransmissores?
Esses do raciocínio são senhores!

E o pensamento, o raio de luz que sai dos olhos, 
a ideia que faz marejar todo o corpo, a "eureka"?
Haja arte!
E se também tem alguém que a gente não vê - 
Não vê mas ouve direitinho o que tem a dizer?
Iluminados que fazem a gente saber o que tem na cabeça
Pra acabar pensando o que já era
pra saber ou já sabia? 

Haja luz!
Quem pensa é a alma, a mente ou o espírito?
Arre! São quantos dentro da gente?

19 abril 2013

Pano Branco

Que não seja um pano qualquer
Nem qualquer costura.
Que não seja de qualquer fazenda
Nem qualquer feitura.
Que não seja de ordinária cassa
Nem qualquer encomenda.
Que não seja mistura
Nem qualquer emenda.
Mas que traga consigo a divindade
A elevação, a pureza, a sutileza
Do tecido branco consagrado.
Que venha das mãos da Yá ou do Babá
Que traga Asè,
Que seja o Alá do Osala...
E que no dia de hoje,
como lembrou a Yaroba,
Nesta Sexta sagrada,
Este Alá de Osala me cubra
A todos que me querem bem
E a todos os nossos Orisas!
Àse!



04 abril 2013

sortilégio

E, como num sortilégio incompreensível, tudo calou.
Nem mais uma voz,
nem mais uma lembrança,
nem recuperação
nem cuidado
nem dança.
Só os nervos falam
num dialeto embriagado de desconforto
de cansaço.
Só os nervos sussurram
quebrantos de neurotransmissores.
Só os nervos rabiscam
sinapses caóticas...
Qualquer morfina
não passa de oásis,
desilusão fotográfica.
E quando a dor grita
o silêncio da alma precipita...
E tudo cala.