27 março 2010

p****

Há quem diga que a Bahia está no caminho certo. 

Concordo com um amigo que ergue louros para a revitalização do nosso Pelô, mas,

p****, segurança é fundamenal para que aquilo volte a pulsar vida

cultural, artística, política, "paquerativa"...

Sem SEGURANÇA NÃO DÁ!!

Exmo. Sr. Secretário de Segurança Pública e Prefeitura Municipal, com a sua Guarda de mesmo nome...

Ser assaltado na véspera do aniversário "não tem preço"... 

tenho a obrigação moral/espiritual de pensar que se foi tudo 

que era ruim


para que se comece o MEU ano novo. 

Happy Birthday to me!!!!

23 março 2010

Porto

Lembrando da noite no Porto da Barra. 

Friozinho, a água estava mais agitada que o normal

não era a mansa e quente psicina. 

Mas acompanhava o vento. 

Uma experência espiritual

- dá para sentir as bençãos de Yemanjá,

 antropológica e cultural ...

Salvador está cada vez mais ´friendly´,  

mais cheias de novos ares e novas tribos 

  (misturas, releituras, condensações) ...

21 março 2010

Encantar você.

 - Por favor, 
poderia me dizer 
qual a forma, cor ou sabor das asas
que saem de mim vigorosamente,
ainda que cansadas?

E a cor dos meus anéis
dos desejos
do andor de plástico
do lugar onde pousa seu amor?

Será que sai de nós
algo colorido, leve, 
forte, inocente...
um vento fresco
e uma clareza de gestos e fantasias?

Eu ainda sei voar?
Fazer arco-íris?
Encantar você?



15 março 2010

Maturação!


Nice trip

Não ouse virar noite calada
ou nada mais haverá!

- Não percebe que é uma sala de espelhos?
Tudo vem do olhar ... tudo é olho!

Esse lugar no qual se chega,
com o pouco que você me dá,
não me é estranho nem agradável
pois na madruga é nada!

Mas te verei na luz
com Rta Lee para ouvir?

One Love também não vai mal
boas idéias partem do bem!

Seria.

Esse lugar onde chegamos
por qualquer quantidade de investimento feito
foi na verdade
mas não foi ... de verdade.

11 março 2010

PeQuenA Vida

Uma criança criando flores
crescendo por si
vendo o mundo lhe cercar
e todo desajuste que acontece aqui.

Um pequeno esculpindo vida
na tentativa de se mudar
olhando para todos como uma águia
vendo fenecer o olhar.

- "É impossível que creias em mim?"
Questiona o pequeno sensível e forte
que é mestre dos caminhos
nas pedras e cacos-de-vidro de suas andanças...

- "Onde eu encontro aquilo?"
- Não sei, só vi uma vez!
Ali, num momento de pleno amor.
Perguntamos: "Já aconteceu com você?"

Uníssono.

08 março 2010

Quem viu?

Você viu?
Quem viu?
Quem se atreve a falar?
e a solidão ignorada...
Não dê a ver
mas a sentir e a provar...
A cortina que ninguém fechou
e o frio por baixo do cobertor.
Ignorantes e desejosos.
Tocar o que não se sente
uma xícara, duas, três
uma cama e a sala de qualquer espera.
Você vê
o turbilhão do estar em amor
com o passado na capanga?

Percebe a dor
sob qualquer pele?
Por vezes deixa-nos
no vazio.

amendoeira

Que livro você está lendo?
Qual o tamanho do seu sonho?
... e a extensão do seu pensamento
no mundo que está encenando?

O que você achou daquele arranjo?
Como você prefere os camarões?
... e as tintas na parede
são as mesmas que você tem no rosto?

Hi-tech essa ambientação!
Vê a amendoeira entre nós e a lua?

04 março 2010

Devaneio

Seria um devaneio de amor
se este não fagocitasse o sonho
abarcacasse as tramas
engolisse os medos

e, em davaneio, avistasse-se numa alma

qualquer.

02 março 2010

nãodito

um poema mal dito
algo vergonhoso e execrável
palavras que não fazem qualquer sentido
nesse mundo - já encenado - que está marcado

sentimentos que se predem na alma
impedimentos vazios de explicações
empacam nos dedos e na língua
prejudicando o quando-dito

um poema que não se quer
como o desejo, sua realização
a mão que desobedece Deus
sonhos que desmentem a crua exposição

um poema que quer ser natimorto
protegendo-se no esquecimento
que se disfarça
abortando o meu gozo

um poema que não caberia
na linguagem de meu aparelho psíquico
seria a explosão do mal-estar
descendo por dentro e por fora

um poema que não se diz
para não-esquecer-do-não-dito

pequena morte

                                                                                                          .
Traga só umas flores e 
deixe o seu perfume 
a fragrância que me assalta
                                     o sono
atiça meu corpo e faz inveja 
                                    em minhas rosas
                                                 vivas.

Meu jardim se modifica
minha história já me confunde
quando soltas sua voz
                                   e quebrantos
em inocentes toques, beijos
                                   corpo no corpo,
                                                 corpos nos rostos,
                                                              minha pequena morte.

Odo Ya