28 abril 2011

c.l.o.s.e.t.

Abra
Escancare
Saia
Permita-se o direito de viver, porque
The winner takes it all

Perceba o que dói
Identifique
Não perca o foco
Prepara sua espada e flechas - e luta.
Play by your own rules.

Cante
Encante-me
Não é requisito ler Kant...
Mas não tolero desplante.
Some rules must be obeyed!

Saia!
Entregue-se
Não será fácil, 
Mas poderá ser bom.
What else can I or could I say? 


Há tantos depósitos com almas escondidas...

23 abril 2011

SALVE SÃO JORGE



Dia 23 de Abril é dedicado ao meu Amigo, meu Protetor, meu Santo Católico Guerreiro. Salve Jorge. Salve o Santo que mora na Lua, donde nos vê e nos protege. Que passeia pelas matas, que abre os caminhos, que traz a bonança e nos defende do mal visível e invisível, com seu escudo e suas poderosas armas. Cavaleiro fiel de Deus e amante incondicional da humanidade. SALVE SÃO JORGE. SALVE JORGE. 






ORAÇÃO de SÃO JORGE


Chagas abertas, Sagrado Coração todo amor e bondade, o sangue do meu senhor Jesus Cristo, no corpo meu se derrame, hoje e sempre.

Eu andarei vestido e armado, com as armas de São Jorge. Para que meus inimigos tendo pés não me alcancem, tendo mãos não me peguem, tendo olhos não me enxerguem e nem pensamentos eles possam ter, para me fazerem mal.

Armas de fogo o meu corpo não o alcançarão, facas e lanças se quebrarão sem ao meu corpo chegar, cordas e correntes se arrebentarão sem o meu corpo amarrarem.

Jesus Cristo me proteja e me defenda com o poder da sua Santa e divina Graça, a virgem Maria de Nazaré, me cubra com o seu sagrado e divino manto, me protegendo em todas as minhas dores e aflições, e Deus com a sua Divina Misericórdia e grande poder, seja meu defensor contra as maldades e perseguições dos meus inimigos, e o glorioso São Jorge, em nome de Deus, em nome de Maria Nazaré, em nome da falange do Divino Espírito Santo, estenda-me o seu escudo e as suas poderosas armas defendendo-me com a sua força e como a sua grandeza, do poder dos meus inimigos carnais e espirituais e de todas as suas más influências, e que debaixo das patas do seu fiel ginete, meus inimigos fiquem humildes e submissos a vós, sem se atreverem a ter um olhar sequer que me possa prejudicar.

Assim seja com o poder de Deus e de Jesus e da falange do Divino Espírito Santo.

Amém.



"Libertador dos cativos e defensor dos pobres,
médico dos enfermos, sustentáculo dos reis,
ó vitorioso e grande mártir Jorge,
pede a Cristo Deus que salve nossas almas." 






Deus adiante paz e guia

Encomendo-me a Deus e a virgem Maria minha mãe ..
 
Os doze apóstolos meus irmãos
 
Andarei neste dia nesta noite
 
Com meu corpo cercado vigiado e protegido
 
Pelas as armas de são Jorge
 
São Jorge sentou praça na cavalaria
 
Eu estou feliz porque eu também sou da sua companhia
 
Eu estou vestido com as roupas e as armas de Jorge
 
Para que meus inimigos tendo pés não me alcancem
 
Tendo mãos não me peguem não me toquem
 
Tendo olhos não me enxerguem
 
E nem em pensamento eles possam ter para me fazerem mal
 
Armas de fogo o meu corpo não alcançará
 
Facas e lanças se quebrem sem o meu corpo tocar
 
Cordas e correntes se arrebentem sem o meu corpo amarrar
 
Pois eu estou vestido com as roupas e as armas de Jorge
 
Jorge é da Capadócia. 

Salve Jorge!

(Jorge Ben Jor)

22 abril 2011

p.o.e.s.i.a. p.e.r.d.i.d.a.

versos curtos
(afinados por inanição)
em pessoas largas 
(espaçosas, sem segredos)
e avenidas estreitas 
(ruas d'uma alma de outrora);
 
poesia perdida 
(como pode alma sem segredo?)
amor requentado 
 (que sobrou do que não esvaneceu)
num violão sem canção.
(num desejo sem razão) .

19 abril 2011

CINEMA AJUDA PROFISSIONAIS DO HGRS A COMUNICAR DIAGNÓSTICOS

SECRETARIA DA SAÚDE DO ESTADO DA BAHIA
ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL


23 de abril de 2010

CINEMA AJUDA PROFISSIONAIS DO HGRS A COMUNICAR DIAGNÓSTICOS

O médico comunica ao paciente um diagnóstico de doença terminal, advertindo-o de que lhe restam apenas seis meses de vida. Alheio a uma realidade que não quer aceitar, o paciente apenas pede ao médico que se afaste da frente da televisão. A reação inesperada, de descaso do paciente com o diagnóstico recebido, deixa o médico sem saber o que fazer. A cena é parte de um filme, mas acontece muitas vezes na vida real, e todo profissional de saúde deve se preparar para enfrentar essas situações.

Por essa razão, "Comunicação de Diagnóstico" foi o tema escolhido para a sessão do Cine-Debate, projeto de iniciativa do Serviço de Psicologia do Hospital Geral Roberto Santos (HGRS), ocorrida ontem (22). Foram exibidos trechos dos filmes "Antes de partir", "O óleo de Lorenzo", "Um ato de coragem" e "Alguém tem que ceder", e profissionais e residentes de várias categorias lotaram o Auditório para compartilhar suas experiências e discutir o teor das cenas visualizadas. O projeto, existente há cerca de dois anos, teve as exibições retomadas.

Comunicar um diagnóstico é uma ação delicada que, em princípio, é de competência do profissional médico, mas acaba envolvendo vários outros profissionais. "Trabalhamos, aqui no HGRS, de forma multiprofissional. Todos da equipe, em algum momento, vão se deparar com um determinado paciente e seus familiares e com a repercussão que a comunicação do diagnóstico lhes causou, desde o enfrentamento e a negação da doença até a adesão ao tratamento", diz o psicólogo Décio Plácido Neto, que conduziu os debates. À frente do projeto também estão Maria Alice Leal, Carla Fernandes, Ana Cláudia Paim e Bethânia Neme. 

Como ressalta o psicólogo, no Hospital Roberto Santos o paciente é sempre visto e atendido por profissionais de diversas categorias, além de médicos. São enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem, psicólogos, assistentes sociais, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, odontólogos, fonoaudiólogos, nutricionistas. "Discutimos, após a exibição dos trechos dos filmes, como a comunicação do diagnóstico pode ser decisiva no desenrolar da vida dos pacientes e de seus familiares. Daí a preocupação com a escolha e a entonação das palavras, a implicação pessoal, o local, a disponibilidade do profissional para tirar dúvidas e estar acessível a futuros questionamentos", afirmou Décio.

B.F. - DRT/Ba 1158
Ascom HGRS
23/abril/2010

18 abril 2011

f.o.g.u.e.i.r.a.

Vamos devagar 
não abortemos a brasa 
com o sopro incauto da pressa 
ou a frieza do sereno 
que o fogo pode apagar.

13 abril 2011

e.u. s.o.r.r.i.

Eu te vi
confesso que senti
o alívio que pediste
e pude sorri.

Eu te vi
bem-te-vi
te senti
e ainda sorri,

Eu te vi
no pedido educado
de amor enlutado
mesmo assim, sorri.

Ei, eu te vi
no meio de outros guris
numa atenção desfocada e secreta
não vou deixar... eu sorri.

Eu te vi
em cada flash
no furto do olhar
e, numa surpresa, sorri.

Eu te vi
Exorcisei meu fantasma
te vi como homem
então em vi e sorri.

08 abril 2011

EU NÃO ESQUEÇO!

Eu NÃO esqueço de mensaleiros, do RIO de dinheiro que escorre por entre meias, cuecas, enxadas e foice de sem-terra corruptos, lobistas de grandes empresas, ONG's sem qualquer representatividade ou ações para o povo.

Eu NÃO esqueço que meu Estado é campeão em assassinatos de gays e travestis.

Eu NÃO esqueço que o dinheiro para sanar muitas das dificuldades da nação vai para em maletas estranhas e contas bancárias além-mares. Eu NÃO esqueço dos inúmeros fantasmas na folha de pagamento, do sucateamento das instituições públicas, da velha tática romana do pão e circo para calar a boca dos menos avisados (copa, olimpiadas, campeonatos, carnaval, vale isso, vale aquilo e vamos levando). 

Eu NÃO esqueço que muitos de nós já se acomodaram/'acostumaram' com essas práticas.

Eu NÃO esqueço das crianças que se prostituem, do futuro-do-país afogado em crack, de "representantes do povo" com dezenas de centenas de cartões do Bolsa Família, das obras faraônicas que consomem, feito cupim, nosso dinheiro. 

Eu NÃO esqueço que fui vítima e autor de bullying, que tive professores ótimos e outros péssimos (todos mal remunerados), que tive, por duas vezes, armas de fogo apontadas contra mim por conta de dois celulares meia-boca, na minha querida Salvador. 

Eu NÃO esqueço que perdi a minha crença no exercício da política. Eu NÃO esqueço que minha fé na humanidade, vez por outra, claudica. 

Eu NÃO esqueço que tenho um filho e que o mundo está se tornando cada vez mais perigoso. NÃO SOMOS UM PAÍS PACÍFICO - idéia vendida aos cidadãos do mundo desavisados. SOMOS UMA BOMBA prestes a explodir em insatisfação, intolerância, desrespeito, (a)moralidade, idéias reacionárias, medo, corrupção, desvios de caráter - país da piada pronta e de humor negro. 

Este infeliz de Realengo (prefiro chamá-lo assim) é uma das  ponta dessa imensa rede de falta de valores, direitos e deveres sólidos e consistentes capazes de sustentar uma realidade diversa, plural, acolhedora e honesta.

07 abril 2011

n.o.t.í.v.a.g.o.

O sabor da vida 
do vidro 
do corte 
da sorte 
da lida...
o sabor do proibido.
 
Um sabor de chocolate 
ou de capuccino notívago...
No coração que ainda ama 
os olhos noturnos,
com gosto e gesto vivivos e
sem medo da morte.

04 abril 2011

c.o.r.i.s.c.o.

Vontade de correr mundo 
(e ser corisco)
de mostrar o que agrilhoo 
(nos porões que formam a sombra)
Ser consistente como um vulcão 
(imponente e arredio)
e voar alto como um falcão peregrino!
(elegante, belo e implacável)

03 abril 2011

v.e.t.o.r.e.s.

Socorro 
Sentido 
Vetores 
Mudanças 
Avatares para cada coração sedentário.
 
Socorro
Calor
Gélido
Duro
Pálido como qualquer rosto só

Socorro
Choro
Emociono
Cicatrizes
Coleciono amores e paixões em vão.
 
Socorro
Só corro
Orrocos
Corro só
Moucos ouvidos em terreno de mudos.

Socorro
Impalpável
Silencioso
Etéreo
Ansioso pela noite de chva...  E você dentro.

01 abril 2011

v.e.r.b.o.

Ser teu
Ser presto
Ser cavalheiro...
Fazer sala
Fazer amor
Fazer a cama...
Ouvir seus problemas
Ouvir seus êxitos
Ouvir o choro...
Pensar no meu futuro
Pensar na nossa festa, então,
Pensar que eu já não era Outro.

Comer no mesmo prato
Comer da mesma mão
Comer todas as ilusões...
Vestir sem combinar
Vestir para te agradar
Vestir para não ter lavores
Ver em você
Ver para poder ter
Ver - simplesmente...
Acordar do teu encanto
Acordar não mais em prantos, então,
Acordar para que o sono seja de descanso

Ser
Ser carne
Ser ação
Sem ser verbo.

v.a.r.a.l. d.e. c.e.n.a.s.

Nas vésperas do verão 
na cadeira ainda repousava seu calção 
na janela meu olhar perdido 
vendo a estrada e suas entranhas... 
Recolho roupas e compromissos do varal 
certo que não foi encenação.

c.a.c.h.e.n.é.

Já se fez presente o outono... 
Praia? Só com ondas grandes 
que arrebentam de saudade 
em grãos de lembrança e pedra de sono. 
Tiro o cachené do armário...
Tomo posse do mundo 
sem ter qualquer dono ...

m.e.n.i.n.o.s.

Que meus e teus desejos sejam perdoados 
ainda que não tenham se concretizado 
vez que um dia existiu e repartimos 
eu com os teus, tu com os meus... 
olhos de meninos.

c.a.f.é.

Qual o tempo para criar costumes? 
Ir aos mesmos lugares... Os mesmos olhares 
A cama, o café apressado - bem passado 
Qual o tempo para você deixar eu não te amar?