17 maio 2010

C.a.n.t.o.

O canto que me invade 
é o do grito
que ficou calado em cima da maca
preso na infância
ou torturados nos curativos da alma.

O canto que me invade
é o do choro
daquela senhora no ônibus
do cobrador de mau humor
ou do olhar baixo no elevador.

O canto me invade
por estar longe das sereias
das fantasias
do chamamento solitário
e mais perto dos venenos "faixa-preta"

O canto que me invade
por algum motivo me deixa
folga, desperta, "indiscreta"
permitindo-me escrever
o canto que é proibido se cantar.

Alcova é o lugar dos cantos! 




_Axé_

Nenhum comentário: