22 abril 2011

p.o.e.s.i.a. p.e.r.d.i.d.a.

versos curtos
(afinados por inanição)
em pessoas largas 
(espaçosas, sem segredos)
e avenidas estreitas 
(ruas d'uma alma de outrora);
 
poesia perdida 
(como pode alma sem segredo?)
amor requentado 
 (que sobrou do que não esvaneceu)
num violão sem canção.
(num desejo sem razão) .

Nenhum comentário: