23 maio 2011

P.o.t.e.s.t.a.d.e.s.

Oh, meu pai
sabes as dores dos amores que passo
conheces como ninguém
o girar do meu compasso
e a volta que dou
para, em mim,
não perder seu traço!

Há amores no vendaval?
Há poesia no temporal?
Há amor no eclipse total?

Oh, minha mãe
sabes de cada tentação
e cada tentativa de cozer
o lençol para cobrir aleijão
esconder de todos
respirar por muitos
na mais completa esquiva do franchão.

Há canção nas tempestades?
Há versos frente a potestades?
Há carinho quando falta vontade?

Nenhum comentário: