10 maio 2011

i.n.c.o.m.p.l.e.t.o.

Que tal deixarmos "songes et mensonges" para um outro momento? 

Que tal eu deixar?


É possível ser pragmático no campo afetivo-emocional? 

Eu preciso de pragmatismo? 


Quanto tempo viveríamos sem "songes et mensonges"?

Quanto tempo eu tenho para isso?


Chorar na cama é bom porquê "é lugar quente" ou porquê se está sozinho/escondido?

Os dois?


Quanto tempo dura uma nova adaptação a si - uma ressignificação?


Quanto eu quero isto?


Qual a nossa real capacidade de resiliência?

O quanto me machuquei? 

Um comentário:

Jana Galeno disse...

Lindo texto...
Bjs