04 março 2011

d.r.a.g.ã.o.

Tem um dragão dentro de mim
queima-me sem dó ou compaixão
destrói-se sem qualquer remorso
esquecendo do óbvio destino

Tem um monstro sacro em meu peito
algo que se move sem que eu pense
algo que se inflama e queima...
basta que encare seus olhos vadios

Tem algo dentro de mim
uma azia dilacerante e irreversível
algo que me ajuda a lembrar
que sou eu, sou eu, apenas eu na fogueira

Tenho algo sacro e outro tanto abominável
Sou a lança, a espada e o dragão
o ouro, a prata e o ferro enferrujado
os galos, a enxada, as cobras e a matéria que apodrecerá

No entanto, cale-se por um instante
saia que a rua te espera e adormecerei
vez que já me cansa o maniqueísmo imperativo 
apesar do corpo fechado: choro.

Pranto de lança
Pranto de dragão
Força de cavaleiro...
faz-se luz em todas as faces.

Nenhum comentário: