22 fevereiro 2011

l.á.g.r.i.m.a.s.

Não sei porquê a lágrima não desce se
já machucou o espírito e atravessou a alma
inundou os neurônios e correu pelos capilares...
cristalizou-se, machucando os olhos, 
na sua frente

Não sei porquê não escorreu em minha face
tão acostumada a trilhos salgados e gotas displicentes
Tão emotivo... hoje demasiado encarcerado
alheio ao acreditar, ao querer, 
ao te ver sorrir

Não sei porquê a lágrima não apeia do fundo
Se os vinhos estragaram, os cálices estão sujos
o lençol está puído e roto – sem calor ou doçura
e há muito que não reconhecemos o que é espelho

Não sei porquê a lágrima – uma só
não se vai e me tira dessa angústia
Não desce e, à medida que caísse, dar-me-ia um nome
ao que me tiraste quando apenas lhe havia emprestado.

Nenhum comentário: