06 outubro 2010

E g o t r i p

Eu que caio
lembro-me
dali pode nada nascer

Eu que levanto
fico atento
o rabo-de-arraia vem de todos os lados
                                                                             [em tempos não tão diferentes]

Só não posso parar
- talvez um pouco.
                                                                [contrariando a Inércia]
Um pouco de ópio e sentido e desejo para continuar

Eu que sinto...
- Por favor, cale-se!
Os leões famintos e o Amor chegaram

Eu que calo e falo
que compreendo e aprendo
não descanso para esquecer...

Um comentário:

Periférica disse...

Lindo!simplismente.