17 julho 2014

Tempo e vento

O amor é assim: chega e fica e ponto! Não te pergunta do aluguel ou do vazamento da torneira... do ferrolho enferrujado da porta, nem pensar... 
Ele (isso, porque não é gente) chega e finca os pilares do seu espaço - e aí fudeu! Se eu não duvidasse de uma construção teórica, de uma inundação  neuroquímica cerebral, ou de algum mecanismo psicológico, diria que é um parasita - daqueles que cuidam bem do hospedeiro até o abandonar - limpam seus defeitos, amenizam suas imperfeições, retiram as camadas epiteliais inúteis, mas, invariavelmente, precisam de outro ser vivo - é da natureza, e vai seguir o destino ( uma aparição tem destino ou propósito?) 
O amor é assim: chega e vai ficando; quanto mais fica mais é de dentro... Até que no desvirar da vida ele vai com o vento. Amor é tempo e vento. 

Nenhum comentário: