25 fevereiro 2012

epifania

Lâmina
ilumina
a carne fina
a teia de vidas
uma constelação de estrelas famintas

Lâmina
na pele inclina
com o corte brinca
pára o fio que se precipita 
e um punhado grande de gente se fascina

Lâmina
na pele da menina
no rosto que afina
no bucho do rapina
na carne morta de quem termina

Lâmina
ilum(imã)
pra quem se diverte com o que finda
atraindo boa figura ou os vermes ao luar...
Lâmina que, por hoje, não irá me cortar.

Lâmina
luz tênue 
um único raio
esmeril.

Nenhum comentário: