15 junho 2016

Arrodeio

Tergiversando com o amor
Comportamento nada auspicioso 

Flertar com o fogo e a dor
Descabimento ou fingimento ardiloso

Se nele reside o cão 
Por desfaçatez não me agacharei 

Intempestivo é o momento vão 
Consciência pressionando o que já sei. 

Mas se dou de ombros  
Sem voltas ou ardis 

É no calor e no assombro 
Que me ergo do poço infeliz 

Quanta mentira diz quem ama
Quanto de tudo é de se provar 

Aquele que já era velho na última semana
Na cama caiu e disse: - Vou aproveitar

E delimito aqui meu terreno
Te demito do meu embaraço 

Viver é ser, sido, sendo 
Sem registro, sem calhamaço 

Amor é correnteza de rio sem foz! 

Nenhum comentário: