14 outubro 2013

Troço

Mas que troço esquisito é o amor, ao menos como o vejo e canto; tudo nele é definitivo pelos próximos dois olhares de segundo! 


Eu mal sabia que era ela que vinha no desajustamento de minhas ideias; que já era hora de recolocar bandeira de amor. 

Eu que ainda carecia das últimas lições de fantasias libertinas para amansar suas mãos de ladainha; dos pés sem sobressalto à boca de falar, de dizer mainha. 

Mas que desassossego é o amor... A carta deixada na porta diz menos que o mutismo ao telefone - nosso pavor! 

Eu que preciso menos de palavra que de desejo, sou invadido, dominado, conquistado por frases de efeito sem receio, nem recreio. 

Eu que devia ter um nome a zelar, tenho um sonho para criar e dar de comer; crescendo vistoso tenho certeza que se multiplicará. 

Nenhum comentário: