02 março 2010

nãodito

um poema mal dito
algo vergonhoso e execrável
palavras que não fazem qualquer sentido
nesse mundo - já encenado - que está marcado

sentimentos que se predem na alma
impedimentos vazios de explicações
empacam nos dedos e na língua
prejudicando o quando-dito

um poema que não se quer
como o desejo, sua realização
a mão que desobedece Deus
sonhos que desmentem a crua exposição

um poema que quer ser natimorto
protegendo-se no esquecimento
que se disfarça
abortando o meu gozo

um poema que não caberia
na linguagem de meu aparelho psíquico
seria a explosão do mal-estar
descendo por dentro e por fora

um poema que não se diz
para não-esquecer-do-não-dito

Nenhum comentário: