11 outubro 2008


Parecia
Parecia que era dia
que o Sol queimava, que a pele ardia
que havia luz, que nada doía...
Parecia que me amava, 
que nós queríamos.
Só parecia.
Chega a noite, ainda que vazia
cheia de gemidos...
de tremores.
Ainda era pouco para o que parecia
já não sabia das mãos quentes
do encontro na cozinha
das coisas que ferviam...
do dia que novamente amanhecia...
Só parecia. 

Um comentário:

Verônica disse...

Muito sutil e rica;é a minha preferida.