26 junho 2014

Cravado

Era dia.
Era noite.
Isso nunca importou para quem é amante! 

Tive o corpo cravejado de balas
- não essas ordinárias de matar toda gente...
Mas estas que lhe dizem da vida e do amor

Cada marca ganha era um Orixá que me socorria

Outras lembravam um punhado de urticária pra vergonha que não tinha.

Um tanto lindo é que alguns furos tinham nome de flor - lírio, orquídea, gerbera, copo-de-leite, flores do campo....

Sou uma peneira de amores, aventuras, e desejos pétreos que tudo desses certo.
Sou um coador, um filtro, uma membrana que se equivocou no que deveria ser permeável!

Tenho o corpo cravejado de balas.

Mas tenho o discernimento de testar a possibilidade contrária .

Nenhum comentário: