26 março 2012

.

Tenho dado a me perguntar do que tenho realmente medo.

Abro parêntesis. Amanhã completarei trinta e três anos. Há quase seis meses não tenho estado no meu melhor momento de vitalidade. Meu pai morreu. Tentei entrar nos domínios de Hades duas vezes (dessa vez). Fiquei internado por duas vezes numa clínica (61 dias totais). 6 +1 = 7 - O Carro. Individuação. Sete Espadas.  Sete Flechas. Tenho cuidado e amado meu filho, de três anos, como nunca. Até tento amar a sua mãe, mas não deu e não dá. Fiz as pazes com a minha mãe e irmã, no entanto, declarei anistia e coloquei no não-recebíveis meu irmão. Ainda não sei se já sei o que sou, ou se sou o que antes tinha certeza de ser. Nunca fui tão facilmente viciado/viciante - impressionado, talvez. Fecho parêntesis. 

Do que tenho medo? Tenho medos que todos têm, ou quase todos: do próprio escuro, de alguns pensamentos, de decepcionar ou sofrer uma decepção. Decepção é decepção, seja de que tamanho, cor, volume, extensão for. Mas ando com medo da minha sombra, de não saber onde coloco minha agressividade, dos excrementos compulsivamente amontoados n'alma, do desprezo que sou capaz e da indiferença que, por ventura, venha a sofrer. Do que se esconde atrás dos meus versos - será por isto a falta de rima? - não posso afirmar. Daquilo que sai em código, em herméticas metáforas e intranquilas quadras. Do meu fascínio por tudo que é secreto. Da indecisão do meu desejo. Do que o que não sai pela caneta e quando a voz se arvora a chegar perto, é patética a rouquidão que se apresenta. Tenho medo de aranhas e da minha vontade insana de virar louco. Isso faz parte da indecisão acerca do meu objeto?  Tenho medo do que os meus olhos dizem, de forma afoita, a qualquer um que os interpele, assim como, alguns poucos, que desvidraçam minhas orbitas e invadem-me com seus próprios olhos.  Tenho medo da palavra que minha analista, ou meu psiquiatra, abortaram -  deixando-me na ignorância de mim. Tenho medo da coragem que tenho para me enfrentar e das atitudes que tomo para enfrentar a vida. Se ainda estou escrevendo... Por que preciso saber tanto do que tenho medo?

"Conserve seu medo
Mantenha ele aceso
Se você não teme
Se você não ama

Vai acabar cedo" Raul Seixas



''Se awo kikun, awo kirun, nse awo mawo si Itula Ile Awo!"
(Os iniciados no mistério não morrem, os iniciados no mistério não desaparecem, os iniciados no mistério vão para o Itulá!)

Nenhum comentário: