30 junho 2009

p.a.r.t.i.n.d.o.


já não sou poeta
quebrou-se algo na altura dos dedos
e, sem ver a brecha,
saí do céu sem tocar a terra.

tenho apenas uma caneta
deixei de sentir o rio...
fiquei tanto tempo sem olhar para mim
que me acostumei com o espelho vazio
talvez ser bardo seja ser o próprio espelho
- faça um verso para não esquecer
- faça um pedido que possa merecer
escrever o que atrair o olhar

falta de versos - espelho morto
falta de sono - pensamento absorto
como tornar familiar o papel em branco
sem pensar no primeiro olhar para o mundo das pessoas?

Nenhum comentário: